quinta-feira, 14 de agosto de 2014

A judia e o palestino


Cada qual de nós pertence a um mundo diferente
Só agora eu caí na real
Sou um humilde proletário
De todo o jeito, não gostaria de ser um proprietário
Sou um sujeito simples como você vê
Aqui tudo fica, daqui nada levamos

Eu não quero ser músico
Eu quero ser músico pra você
Eu não quero ser poeta
Eu quero ser poeta pra você
Eu não quero trabalhar
Eu quero trabalhar pra você
Eu não quero ser interessante
Eu quero ser interessante pra você

Meu deus que não existe!
Por que existe essa barreira?
Dane-se o sentido da vida
A minha única pergunta
É saber como tal perfeição existe

Insisto em te ver, o contrário é morrer
Sei que jamais me amarás
Pois eu já amo o suficiente por nós dois
Um amor entre nós é impossível
Imagina uma judia e um palestino

Nenhum comentário:

Postar um comentário