sábado, 28 de junho de 2014

Por que amar se tornou tão hesitante?

Ao passo que a permuta de xingamentos entre as pessoas é corriqueira, a troca de elogios entre os mesmos é escassa. Às vezes, inexistente.
O amor não é um sentimento que deveria ser evitado. Muito pelo contrário, este deveria ser celebrado. Ademais, atribuem-se erroneamente a ele, única e exclusivamente o afeto entre sexos opostos. Mas, não! O amor não se resume a ínfima relação entre homem e mulher, mulher e homem. Ele é muito mais amplo, imensurável e onipresente, eu diria.
Contudo, eu volto à questão: Por que amar se tornou tão hesitante? Ora, talvez seja porque as pessoas não nos dão confiança suficiente para merecê-lo. Sim, isso faz algum sentido. A sociedade beira a insanidade, mesmo. Mas acontece que o amor assim como a vida, não faz o menor sentido. Ou vivemos a vida, ou morremos. Ou amamos uns aos outros, ou nos desperdiçamos.
Faço ressalvar que, a única maneira de descobrir se alguém merece o seu amor é amando-o. 
Todavia, a coisa mais triste é quando alguém morre arrependido. Pois não há mais tempo para reaver-se como ser humano, a despeito de estar disposto a mudar, evoluir. Portanto, não construa uma vida que no final obrigue você a proferir as irreversíveis e trágicas palavras: “Ó, que pena! Não amei o suficiente.”.
Não sou capaz de compreender tamanha resistência ao amor. Afinal, como é que um elogio carinhoso pode ser considerado ultrajante? Em que hipótese? Eu, hein... Como teria dito uma vez, John Lennon: “Nos escondemos para fazer amor enquanto que a violência é praticada à luz do dia.”.
Para finalizar, a vida é uma loucura, e o amor é uma insanidade. Logo, o amor poderia ser definido sem prejuízo à sua essência da seguinte forma: o amor é uma insanidade dentro de uma loucura. E o pior de tudo, é que este indecifrável sentimento faz tudo valer a pena.
Meu apelo final se resume a uma só palavra: amem!

2 comentários:

  1. Amei, amo, amarei. Deixo aqui um simples verso que fiz 4 anos atrás na intenção de escrever em um muro (coisa que não tive coragem de fazer).
    "Amar e andar. Andar e amar. Amar andando, andar amando!"
    Paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigado pelo seu comentário!

      Quanto ao seu verso, eu achei digníssimo de muro. Parabéns!

      Paz a você, também.

      Excluir