quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Que tipo de amizade é essa?

Experiências recentes me fizeram pensar a respeito disso.

Logo, trago à mesa a seguinte questão: vale a pena evitar o confronto direto com uma pessoa que temos alguma ligação? Sejam essas ligações profundas ou não?

Eu creio que somente uma amizade pura sobrevive após um denso embate entre as partes. Ou seja, tem de haver um respeito mútuo. Pois se houver, um dos dois tentará reatar os laços, e só será possível obter êxito nisso com a cooperação de cada um. Pessoas orgulhosas dificultarão o processo, reconheço.

Isso significa que independente da dimensão da discordância que haja entre as duas pessoas, a verdadeira amizade não se rompe definitivamente.

Por isso não me importo em discutir leve ou acaloradamente com ninguém. Isso é bom. Pois o calor, por mais forte que seja ele não liquefaz uma amizade. Somente as brandas.

Para mim, evitar tais confrontos só é uma boa estratégia pra quem deseja cultivar "amizades superficiais". Não é o meu caso, de modo que eu aproveito o ensejo da colisão para “testar” a mim, e a outra parte. Será que nos gostamos o suficiente para superarmos uma confrontação? E isso, só os dias subsequentes ao conflito poderá responder.

Também penso que uma boa discussão coloca os respectivos caráteres sobre a mesa. Com isso, descobrimos mais quem somos, e quem são.

A boa amizade não se caracteriza simplesmente por ser duradoura, e sim por aquela que resiste mais embates durante a sua história.

É de suma relevância respeitar ao pensamento alheio, pois nem sempre temos a razão, e perdoar um deslize, porque as pessoas podem mudar. Essas são atitudes de um grande amigo. Isso é o amor, amigo.

De fato, não poderia ser diferente. O amor é o combustível de tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário