quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Por que eu estou revoltado?

Bem, a pergunta mais adequada seria: por que você NÃO está revoltado?

Honestamente, eu não sei como algumas pessoas perguntam isso. Pois as razões que eu tenho pra estar revoltado, são as mesmas que o indagador desta pergunta deveria ter, mas como não têm. Por isso pergunta.

A verdade é muitas vezes inconveniente. Logo, impopular. As pessoas em geral procuram se refugiar em mentiras, por mais que se saiba o quão falso aquilo é.

A partir do ponto de vista crítico a realidade em que vivemos é totalmente revoltante. O problema é que uma excelente parte das pessoas não está vivendo na mesma realidade. Elas vivem em uma “matrix”, ou seja, elas estão absurdamente alienadas ao ponto de desconhecerem os problemas sociais e suas reais causas.

Que inércia é essa que o sujeito não quer saber de nada do que acontece? Evita-se a verdade a todo custo só porque ela não lhe convém? Mas que pensamento mais cretino é esse?

Parafraseando Henry Ford: “é do interesse das instituições bancárias que a população em geral não entenda do sistema monetário, pois se caso entendesse, haveria uma revolução amanhã de manhã.”

Está mais do que na hora de acordarem para a realidade. Até quando escolherão viver um conto de fadas?

Ser “revoltado” não quer dizer uma coisa ruim. Na verdade significa algo bom, visto que o indivíduo que se revolta prova ser digno.  

O dito “revoltado” é o sujeito que observou algo e não fechou os olhos simplesmente, assim como ouviu e não tapou os ouvidos. Enfim, o revoltado não ignora, ele registra em sua própria mente as injustiças.

Quem se revolta se recusa a ser hipócrita, a viver em um imenso oceano de hipocrisia.

Há inúmeros motivos neste mundo para se revoltar, infelizmente. Mas nós não desistimos, e muito menos pensamos em se acomodar em um mundo de ilusões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário